quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Muito Além do Peso

Boa tarde amig@s,

Após a segunda guerra mundial, cada vez mais, as pessoas, não  produzem/cozinham seu prórpio alimento. A industrialização tomou conta das nossas vidas e as "facilidades" nos permitem fazer "muito", com pouco consumo de energia. Antes, para mandar uma carta, era necessário, escrever, dobrar o envelope, ir até o correio, selar e enviar. Hoje, a gente senta no pc, digita e aperta em "enviar". Lembro quando precisava ficar em pé ao lado do único telefone da casa, discar os números - naquela roleta; ou levantar do sofá cada vez que queria mudar de canal, porque não existia controle remoto; etc. Acredito que cada um tem uma lembrança dos velhos tempos. Não sou hipócrita em dizer que sou contra a tecnologia, pelo contrário, adoro tudo o que se refere à modernidade, mas também é preciso parar e refletir sobre a relação entre, nossa alimentação versus nosso gasto energético. 


Vocês já assistiram aquele filme infantil: WallE. Ele passa uma mensagem muito legal. O planeta fica contaminado e os humanos vão viver em uma "cidade" no espaço. Na Axiom (essa cidade), os passageiros humanos sofreram severas perdas de massa óssea e se tornaram obesos mórbidos, com o passar dos séculos vivendo em microgravidade e dependendo dos sistemas automáticos da nave. O capitão da nave faz pouca coisa, deixando o controle da Axiom para o piloto automático robótico, Auto. Será que nós também não estamos no piloto automático? Quem nunca mandou uma mensagem para alguém que estava no cômodo ao lado? heheheh, eu já mandei, confesso. 

Estava na praia com meus pais, tia, irmão, etc. Fui fazer um pão multigrão para o café da tarde e uma sobremesa de trufas para a noite. Minha tia perguntou, com uma expressão, tipo aberração: então cada vez que vocês querem comer alguma coisa vocês tem que preparar? Aquilo ficou na minha cabeça.. Sim, antigamente as pessoas preparavam suas comidas, porque hoje isso é tão estranho?

Venho percebendo, pelos relatos que recebo, desde que iniciei esta dieta, que muitas pessoas obesas não sabem cozinhar. E que estão aprendendo e gostando de cozinhar com a dieta. Não estou afirmando que todo mundo que é gordo não sabe cozinhar, e vice versa. Só fico impressionada, com a quantidade de pessoas que depende de outras pessoas para "conseguir" seu alimento. Pesquisas mostram que a obesidade aumentou proprorcinalmente ao número disponível de comidas "prontas e rápidas" oferecidas. É muito mais fácil conseguir comida e muito mais rápido. A refeição é basicamente carboidrato, isto quer dizer, um pico de insulina, e logo você terá fome novamente, para mais uma passada rápida ao Mcfood.
 
Certa vez, já em dieta Atkins, fui fazer um trabalho em uma escola pública. Como teria que ficar o dia inteiro, resolvi que almoçaria na própria escola. Pensei que comeria um pedaço de carne e salada e não teria problemas. Confesso que passei fome, pois não tinha nada na escola que eu pudesse comer. A carne moída era misturada com purê de batatas, e tinha mais purê que carne, tudo junto em uma lavagem difícil de separar. O resto era uma porção generosa de arroz e outra de macarrão. Saí pensando: essas crianças comem isso, saem adrenadas com tanto carboidrato e vão ter que sentar na sala de aula quietinhas? Como é possível? Achei triste.



Mas tudo isso para falar uma coisa: o que estamos fazendo com nós e com nossas crianças?
Estava assititndo ao documentário "Muito além do Peso", eu não sei como explicar meus sentimentos ao ver mãe dando mamadeira com Coca-coala para seus bebês. Crianças se jogando no chão para ganhar a batata da "onda", e o pior, eles GANHAVAM a batata... Pais impotentes, crianças sem limites alimentares. Esse não é um próblema dos outros é NOSSO, meu e seu. Qual nosso papel? Como mão sempre pensei que meu papel é o de amar, educar e principalmente frustrar minha filha. Achou estranho? Se eu não ensiná-la a se frustrar, quem vai ensinar? Se eu não ensinar que não pode comer chocolate todos os dias, quem vai ensinar? Não é fácil. Minha filha também adora chocolate e todas as besteiras conhecidas. Não tenho como fazer com que ela não conheça a coca-cola e o Mc, mas tenho como não comprar, não ter na geladeira, não levar ao shopping para comer, não ter chocolate em casa durante a semana. Mas vocês podem me perguntar: eles querem, eles pedem... Podemos negociar e encontrar outras possibilidades. Vou dar o exemplo aqui de casa. Durante a semana minha filha só pode comer sobremess sem carboidratos, gelatinhas, sorvetes low carb, picolé de morango e abacate, etc. Se ela não gostar, é uma pena. Ela aprendeu a comer essas sobremesas que antes ela nunca comeria. Até chocolate amargo, hoje ela gosta. 

Mas voltando ao assunto do post, assistam o documentário, reflitam sobre seus próprios pilotos automáticos e tenham um ótimo dia!!!


Muito Além do Peso

(Way Beyond Weight)
84', cor, censura livre.

Obesidade, a maior epidemia infantil da história.

"Um filme obrigatório para qualquer pessoa que se importe com a saúde das nossas crianças" 
Jamie Oliver

Pela primeira vez na história da raça humana, crianças apresentam sintomas de doenças de adultos. Problemas de coração, respiração, depressão e diabetes tipo 2. Todos têm em sua base a obesidade.
O documentário discute por que 33% das crianças brasileiras pesam mais do que deviam. As respostas envolvem a indústria, o governo, os pais, as escolas e a publicidade. Com histórias reais e alarmantes, o filme promove uma discussão sobre a obesidade infantil no Brasil e no mundo.

Com:
Jamie Oliver, Amit Goswami, Frei Betto, Ann Cooper, William Dietz, Walmir Coutinho, entre outros.
Direção: Estela Renner
Produção Executiva: Marcos Nisti
Direção de Produção: Juliana Borges
Fotografia: Renata Ursaia
Montagem: Jordana Berg
Projeto Gráfico: Birdo
Trilha Sonora: Luiz Macedo
Produção: Maria Farinha Filmes
Patrocínio: Instituto Alana



Algumas imagens do documentário que me chamaram a atenção...











6 comentários:

  1. Ótimo documentário!!! Sabia que a situação era crítica na alimentação das crianças, mas não imaginava que era tão grave!!
    Acho que o mais chocante é perceber que nas regiões mais remotas do país, onde quase não há infraestrutura há ainda o acesso aos piores alimeentos do mundo... muito triste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, hoje pobreza nao é mais sinônimo de alta de comida, mas comida de péssima qualidade. Nao sei o que é pior. Ver aquele menino de 4 anos so comendo batata e bebendo coca cola me cortou o coracao...

      Excluir
  2. Jully, comecei a dieta do Dr. Atkins há um mês e consegui eliminar apenas dois quilos. Estou um pouco frustada devido ter obtido pouco resultado mediante as matérias e livros que li referente esta dieta e os resultados imediatos que ela proporciona. Estou muito desanimada. Me ajuda July...preciso emagrecer, desde pequena sou gorda. Tenho 24 anos, 1,58m e 73,8kg. Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jô, me mande um email.... Me solidarizei com o teu caso pq eu emagreci em 1 mes de inducao só dois quilos.... Depois de 8 meses, perdi 8 quilos. Veja como foi lento!!!! Mas vc ta com pressa? Mas me mande seuemail que vou cuidar de ti.... Bjs (jfb0104@hotmail.com)

      Excluir
  3. July adorando teu blog....tb to mudando a alimentação da minha pequena Nicole de 3 anos e Enzo 10 meses ja acompanha. Com o q adoça as sobremesas da sua filha????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, eu adoço quase tudo com Linea sucralose... Ela mesma já pega o Linea a adoça o morango com creme de leite... Aliás, nem temos açucar em casa. Outras opçoes, mais saudaveis e mais dificeis de encontrar (somente em sites americanos, tipo Iherb) é o açucar de coco (cocoanut sugar) e o xilitol. Bjs

      Excluir